Wilson Witzel fala sobre sua gestão na pandemia do COVID-19

5 de setembro de 2022 Off Por Portal do Gida

Nos últimos anos, o advogado e Ex-governador do Rio de Janeiro, Wilson Witzel, vem sofrendo uma série de críticas sobre a sua gestão enquanto governante do estado do Rio de Janeiro. Atualmente, ele compareceu ao podcast Portal do Gida e apontou suas considerações sobre a maneira como lidou com o período pandêmico que o mundo enfrentava.

Enquanto advogado, Witzel teceu críticas sobre o sistema judiciário brasileiro, afirmando que o Ministério Público e outros órgãos deveriam trabalhar imparcialmente, sem influência política ou externa. Além disso, ele acredita que, apesar das críticas, ele considera uma honra trabalhar na advocacia.

Sobre as denúncias que vem sofrendo nos últimos anos, ele afirmou que condena qualquer atividade de magistrado que tenha relação com o Ministério Público, e afirma que todos os despachos feitos pelo órgão foram feitos de forma clara, sempre dando oportunidade de vista a outra parte.

Wilson Witzel se defende de acusações

Posteriormente, ele afirmou que sempre trabalhou de maneira imparcial, enfatizando que a imparcialidade do magistrado é algo que ele sempre defendeu na sua vida advocatícia e pública. Segundo ele, o Ministério Público deve atuar de forma clara em um tribunal, sem demonstrar superioridade nos poderes judiciários.

Além disso, ele acredita que o Ministério Público está passando por uma diminuição em sua instituição. Para ele, algumas situações demonstram que o órgão age de maneira impensada. Entre elas, ações de improbidade que, atualmente, podem estar sendo analisadas de forma rasa.

Outro ponto levantado por Witzel é que os processos envolvendo figurões públicos devem ocorrer de forma sigilosa. Como exemplo, ele mencionou que, ao ser denunciado, a imprensa foi a primeira a cobrir o fato, de forma a manchar a sua reputação em um processo que estava em andamento.

Witzel acredita que as eleições 2022 serão amistosas

Após as acusações, Witzel informou que, devido ao apelo popular, possui muito otimismo em relação às eleições de 2022, onde concorre como candidato a Governador do Rio de Janeiro. Segundo ele, as atuais pesquisas de intenção de votos não refletem a realidade, mencionando números divulgados em sua primeira eleição.

Em relação ao cenário de pandemia enfrentado pelo Rio de Janeiro desde março de 2020, Witzel atribui a deputados estaduais que, ocasionalmente, são os responsáveis pelo atraso de 7 hospitais de campanha. Além disso, ele citou que a primeira ação do seu governo na época, era focar no isolamento social.

Além disso, ele menciona que durante a pandemia, houve a necessidade de criar hospitais, pois o setor público e privado de saúde estava em colapso. Dessa forma, houve um planejamento de ação, onde uma das premissas eram os hospitais de campanha, onde seriam utilizados quando não houvesse mais leitos disponíveis em outras unidades de saúde. Dessa forma, ele busca desmistificar a problematização dos hospitais de campanha, uma vez que eles foram construídos, mas não foram ocupados. Segundo ele, o fato de não haver material suficiente foi o motivo pelo qual os hospitais não funcionam como deveriam.

Posteriormente, ele aponta que o mercado não possui materiais médicos suficientes para suprir os hospitais, devido à alta demanda, além da falta de profissionais qualificados. Além disso, ele afirmou que todos os respiradores disponíveis foram entregues, diferente do que havia sido relatado na imprensa. Por fim, Witzel faz uma ode ao seu governo, e afirma que as medidas tomadas após a sua saúde prejudicaram o andamento do combate a pandemia do COVID 19. Para isso, ele cita outros países e acredita que, dentro do possível,  seu governo foi eficaz no combate ao covid-19 no Rio de Janeiro.

Leia mais: Agente Federal Robson André fala sobre valorização das polícias